Moda, Arte ou Engenharia?

Se você constrói software, então é engenheiro. Mas o engenheiro de software é um sujeito paradoxal, uma espécie de peixe voador, ou pássaro mergulhão. Nada contra estas espécies, mas o nome deles já é um contrassenso. Me lembra um pouco o engenheiro de software. A palavra “engenharia” nos remete a prédios, máquinas, aviões, navios e coisas assim, diria, um tanto ‘hard’. Mas o nosso engenheiro constrói ‘soft’.

É claro que, como engenheiro de software que sou, aprecio os benefícios possíveis a partir do exemplo das outras engenharias, como a medição de prazos e resultados, a capacidade de simulação e previsão, a gestão dos recursos, entre outros. Essas similaridades são interessantes e podem nos ajudar a avançar. Me preocupam mais, no entanto, as diferenças. Que diferenças? Ah, já vou dizendo.

Uma importante diferença tem a ver com as ferramentas que utilizamos. Neste aspecto a engenharia de software está mais para a Moda do que para a Engenharia. Engenheiros tendem a exigir elevadíssimo nível de confiabilidade de suas ferramentas e materiais, especialmente quando se trata de construções críticas. Já pensou como seria a construção de uma usina nuclear com uma ferramenta que o primo do engenheiro descobriu em uma viagem que fez à Tailândia, e que ele achou super legal? Ou a construção de um foguete com uma chapa metálica recém inventada, que é o maior sucesso na indústria de carros? Pode parecer absurda a ideia, mas muitas vezes é exatamente o que faz o engenheiro de software.

Ao passo que as outras engenharias utilizam ferramentas e materiais amplamente testados e aprovados em rigorosos e demorados testes, que as vezes duram anos, o engenheiro de software usa o Python porque é bom a beça. O Java porque todo mundo tá usando. O Asp.Net porque é sofisticado e dá status. O PHP porque é facilzinho. Ou seja, como eu disse, está mais para a Moda do que para a Engenharia. Não digo que estas tecnologias são ruins ou boas, digo que a decisão por uma delas é geralmente feita da maneira mais ametódica possível. Há ainda aqueles que tratam a tecnologia como religião (nasci nela e vou morrer nela) e outros como time de futebol (tô torcendo pra minha ser campeã).  E aí, pra esse último, vale tudo: camiseta, boné, xícara, tudo com o nome da tecnologia pela qual ele torce. Eu ficaria muito preocupado de contratar um engenheiro com esse comportamento, pois como saber se ele está escolhendo a tecnologia mais adequada ao meu projeto, ou se está escolhendo a sua “tecnologia do coração”?

Outra importante diferença está relacionada ao produto que o engenheiro de software entrega. Colocar um avião em produção ou uma ponte pra operar, sem os devidos testes, pode levar o engenheiro para a cadeia. Entre os testes estão as mais diversas técnicas, inclusive simulações, que não se deixam abalar pela sempre presente pressa do cliente. Já na área de software, é muito comum ver em produção um sistema que sequer passou por uma equipe de testes; foi testado pelo desenvolvedor mesmo (se é que foi). Alguns usuários já até se acostumam com os erros e inventam maneiras de conviver com eles. E o desenvolvedor geralmente fica irritando quando alguém reclama. As duas respostas mais comuns são: 1) Estranho… e 2) Na minha máquina tá funcionando.

O caro colega engenheiro de software, a esta altura, deve estar irritado. Calma, também sou engenheiro de software, e sei que não gostamos de ouvir críticas. Quando alguém fala mal de nossos métodos e sistemas chegamos perto de perder o controle. Nossos sistemas são como filhos para nós, e não queremos ouvir ninguém falando mal deles. Neste caso estamos mais para o mundo das Artes do que da Engenharia. Somos artistas genais, os outros é que não conseguem entender nossa obra.

Que tal nos aproximarmos das engenharias tradicionais, mais velhas e mais sábias? A academia tem grandes estudos, muito experimentos, que podem ser uma pista do caminho a tomar. Há métodos de testagem disponíveis, que devem melhorar significativamente a qualidade do produto que entregamos.

Nem moda e nem arte. Nosso negócio é engenharia.

Envie um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *